Produtos

Folheto Técnico

Loading
Carregando...

Telhas Coppo Veneto e Double Romana

As telhas de concreto DURABILE são do tipo Coppo Vêneto e são fabricadas em conformidade com a NBR 13.858-1 e atendem as especificações da NBR 13.858-2. Possuem encaixes perfeitos e sua coloração é feita através de pigmentação de massa. São produzidas nos modelos com corte arredondado ou corte reto na borda inferior.

Dispõe de nervuras de reforço na face inferior e travas de encaixe mais elevadas para evitar o deslizamento. Também possuem saliências na parte inferior frontal formando barreiras para o retorno da água. E, para oferecer um melhor acabamento ao telhado possui uma série de peças especiais, proporcionando ainda economia e harmonia ao telhado.

Ficha técnica da telha:
   
Comprimento 420 mm
Largura 330 mm
Telhas por m2 10,4 pçs
Peso médio por telha 4,7 Kg
Peso médio por m2 48 Kg
Distância máx. entre ripas 32 cm
Absorção de água + 6%
Resistência > 250 Kg
Inclinação mínima 30%*
* Para panos igual ou inferior a 7,00 metros.
   
   
PEÇAS ESPECIAIS:
   
Cumeeiras 3 e 4 vias.
Cumeeiras inicial e normal.

ARMAZENAMENTO

Preparar na obra um local plano, nivelado com uma camada de areia, evitando assim que as telhas estocadas sujem em contato com a terra ou barro.

O empilhamento das telhas deverá ser efetuado respeitando-se a altura máxima de 3 telhas.
A parte superior das telhas (onde existe o pré-furo) deve ficar voltada para cima.

MONTAGEM DO TELHADO

Sugerimos o seguinte madeiramento (cm) e espaçamento:
Terças: 6 x 12 a cada 1,50 metros.
Caibros: 6 x 5 a cada 50 centímetros
Ripas: 2,5 x 4 a cada 32 centímetros

As tesouras deverão ser dimensionadas por Responsável Técnico.
Dimensione o pano do telhado a fim de evitar o corte desnecessário da telha na cumeeira.

RIPAMENTO:

Galga Inicial:
A primeira ripa deverá ser 2 cm mais alta que as demais, para que todas as telhas tenham a mesma inclinação.
 

Ripa da cumeeira:
A distância da ripa da cumeeira e o eixo superior (cume) do telhado deve ser de 2 cm, proporcionando assim um recobrimento adequado da linha de cumeeira.
 

Galga:
É a distância máxima entre as faces superiores de duas ripas. Mede até 32 cm. Nunca utilize galga superior a 32 cm.
Somente a galga inicial mede 29 cm da face superior da segunda ripa à face inferior da testeira.
 

SOBREPOSIÇÃO LONGITUDINAL:

Esta sobreposição (telha sobre telha) é de no mínimo 10 cm. Nunca utilize menor que 10 cm.
 

MONTAGEM DA CUMEEIRA:

A sobreposição das cumeeiras é de 7 cm. É muito importante que, no emboçamento, a argamassa utilizada fique protegida pela cumeeira, isto significa que a argamassa não pode ficar exposta a intempéries. A argamassa deverá ficar chanfrada para dentro. O traço sugerido em volume para emboçamento das telhas é de 1:0,6:5 de cimento, cal e areia respectivamente. Isto é, Uma parte de cimento, 60% desta parte de cal e 5 partes de areia.

Pode-se utilizar o “Pigmento para Argamassa DURABILE”, com o objetivo de valorizar o acabamento estético do telhado, recomenda-se o uso de 1,2 Kg de pigmento para cada saco de 50 Kg de cimento.

A manta de impermeabilização, com 15 cm de largura deverá ser aplicada sobre todo o telhado na linha de cumeeiras, preferencialmente em dia quente, fazendo o contorno das curvaturas das telhas, evitando assim o retorno da água com a incidência de ventos.

A sobreposição das cumeeiras deve ser feita com argamassa com espessura aproximada de 3 mm e largura de 3 a 4 cm, como também poderá ser feita com “junta seca” rejuntada, com uma pequena quantidade, mas em forma de cordão, de sikaflex, massa de calafetar ou similar.

Na construção da linha de cumeeira, é fundamental que se mantenha o alinhamento, por isso existe na parte superior (frontal e final) da cumeeira DURABILE, uma pequena marcação que auxilia na manutenção do alinhamento (com o auxilio de uma linha), durante o assentamento das cumeeiras.
 




CORTE DO PRODUTO:
Para corte, deverá ser utilizada uma máquina de corte com disco para concreto de 9 polegadas ou disco diamantado. É recomendável que o corte seja feito no chão, por medidas de segurança.

ACABAMENTO LATERAL:
Telha terminal esquerdo:
Utilizada para fazer o acabamento no lado esquerdo, com largura útil de 25,50 cm.

Telha terminal direito:
Utilizada para fazer acabamento no lado direito, com largura útil de 16,50 cm.

 

Considerar no acabamento lateral, nos dois terminais, uma pingadeira, calculando-se o telhado cerca de 6 cm maior que a largura total a cobrir.

PLANEJAMENTO DA COBERTURA:

Para garantir o escoamento da água, a inclinação varia de acordo com o comprimento do telhado. A tabela abaixo apresenta as recomendações de inclinação para telhas DURABILE, em função do comprimento do pano do telhado.
 

A inclinação mínima de cada pano do telhado é de 30%. Em regiões de topo de morro, próximas ao mar ou quaisquer regiões sujeitas a vento, recomenda-se uma inclinação mínima de 35% e a amarração das telhas do beiral que não forem protegidas por algum tipo de forro.
 

A inclinação máxima sem necessidade de amarração das telhas é de 96%. Acima desta medida deve-se amarrar as telhas com fio de cobre ou arame de aço galvanizado n° 18, furando-se a telha no pré-furo com broca de videa.

CÁLCULO DAS TELHAS PARA A COBERTURA:

A cobertura poderá ser planejada, em se tratando de telhados com panos retangulares, de forma que não ocorram cortes de telhas.
Pelo “Método exato”, a seguir descrito, pode-se calcular a “Faixa” considerando um comprimento útil máximo de 32 cm. Este comprimento de 32 cm garante a sobreposição mínima (telha sobre telha) de 10 cm, a qual pode ser maior, portanto é possível fazer o ajuste da sobreposição para que se obtenha faixas com telhas inteiras.

Método Simplificado:

Multiplicando-se a área plana (incluindo o beiral) de uma cobertura pelo F.C. da TABELA 1, na inclinação desejada, encontra-se a área inclinada a ser coberta. Multiplicando a área inclinada por 10,4 telhas por m2, encontra-se a quantidade de telhas necessárias. Deve-se utilizar um acréscimo de 5% para maior segurança.

Método exato:
 

Figura 1

Calculo da Faixa:
Toma-se a medida “A”, multiplica-se pelo fator de inclinação (TABELA 1), obtendo-se a medida “B” e divide-se pelo comprimento útil da telha DURABILE (32cm).
 

TABELA 1 (faixa)

%         Graus          F.C.                      %         Graus          F.C.

-30      Fora da norma                        40       21°48’         1,077

30       16°42’         1,044                  41        22°17’         1,081

31        17°13’         1,047                  42       22°47’        1,085

32       17°44’         1,050                  43       23°16’         1,089

33       18°15’         1,053                  44       23°45’        1,093

34       18°46’         1,056                  45       24°13’         1,097

35       19°17’         1,059                  46       24°42’        1,101

36       19°48’         1,063                  47       25°10’         1,105

37       20°18’         1,066                  48       25°38’        1,109

38       20°48’        1,07                     49       26°06’        1,114

39       21°18’         1,073                  50       26°34’        1,118

Cálculo da Fiada:

Toma-se o valor aproximado da largura do telhado para saber o número exato de telhas, e aplica-se na TABELA 2. Após inclui-se um terminal direito e um terminal esquerdo.

TABELA 2 (Fiada)
 

LARGURA        N° TELHAS                 LARGURA           N° TELHAS

(metros)          (peças)                    (metros)            (peças)

3,42                    10                        9,72                    31

3,72                    11                         10,02                  32

4,02                    12                        10,32                  33

4,32                    13                        10,62                  34

4,62                    14                        10,92                  35

4,92                    15                        11,22                   36

5,22                    16                        11,52                   37

5,52                    17                        11,82                   38

5,82                    18                        12,12                   39

6,12                     19                        12,42                  40    

6,42                    20                       12,72                  41

6,72                    21                        13,02                  42

7,02                    22                       13,32                  43

7,32                    23                       13,62                  44

7,62                    24                       13,92                  45

7,92                    25                       14,22                  46

8,22                    26                       14,52                  47

8,52                    27                       14,82                  48

8,82                    28                       15,12                   49

9,12                     29                       15,42                  50

9,42                    30                       15,72                  51


Exemplo (Figura 1):
A= 6,00 m
Inclinação: 30% ( F.C.= 1,044)

Cálculo da faixa:
B= 6,264 m / 0,32m = 19,52 adotar 20 unidades.

Cálculo da fiada:
C= 10,00 m
Na TABELA 2 o valor mais aproximado:
Largura: 10,02 metros = 32 unidades.

A quantidade total é 20x32 = 640 telhas para o telhado proposto.

Temos ainda:
Terminais:
Faixa de 20 telhas requer:
20 terminais direito e 20 terminais esquerdo.

CÁLCULO DE CUMEEIRAS:

3 (três) peças por metro linear.

COLOCAÇÃO DAS TELHAS:

Segundo a Norma Brasileira NBR 13858-1, a colocação das telhas deve ser feita por fiadas, da direita para a esquerda, iniciando-se pelo beiral ou pela parte mais baixa do telhado e prosseguindo em direção a cumeeira. Caso haja necessidade de fixar a telha, o pré-furo define a posição para a furação.
Para a realização de qualquer tipo de cobertura, deve-se respeitar sempre esta ordem de colocação das telhas.

SEGURANÇA NO ACESSO AO TELHADO:

O acesso ao telhado, para montagem ou manutenção, quando a inclinação for superior a 45% ou o trabalho for realizado em áreas próximas a extremidade do telhado, deve ser utilizado EPI (equipamento de Proteção Individual), inclusive cinto de segurança e corda de ancoragem para a realização da montagem do telhado.

As telhas DURABILE possuem resistência superior a carga de uma pessoa para eventuais manutenções, desde que observados alguns cuidados para locomoção.

A locomoção deverá ser efetuada pisando-se no meio da telha sobre a capa. Evitar caminhar sobre a ponta e sobre o encaixe, locais onde ocorrem as quebras das telhas.

MANUTENÇÃO DO TELHADO
Após chuvas com ventos fortes, granizo ou qualquer outro fenômeno que possa afetar a cobertura, recomenda-se efetuar uma inspeção para detectar possíveis efeitos dessas ações, antes de sofrer danos maiores.

A seguir indicamos as tarefas de manutenção e a periodicidade com que devem ser realizadas.

QUANDO OCORRER:
Substituição dos elementos danificados ou gastos e reposição das peças.

A CADA 6 MESES:
Eliminação da vegetação, sujeira e outros objetos que podem deteriorar a cobertura.
Limpeza e revisão dos canais de escoamento de água da chuva.

A CADA 5 ANOS:
Caso haja depósito de sujeita em função da poluição, usar hidrojateamento apenas com água, sem adicionar produto químico.
Desta forma o telhado volta a ter vida, valorizando a obra e destacando a beleza de sua edificação.

Telhas Plana